Caráter e casca de banana

Por: João Lamarque de Almeida
14/10/2016 10:51 - Atualizado em 14/10/2016 10:53
Tamanho da fonte: A A
(Foto: Divulgação/LÊ) (Foto: Divulgação/LÊ)

O que se pensa quando se encontra uma casca de banana jogada numa calçada, na rua, num corredor? Ela pode ajudar demais a avaliar o caráter das pessoas. Uma antiga máxima lembra exatamente isso. “A casca de banana: atira o negligente, deixa-a ali o complacente, retira-a o cauteloso”. Uma casca de banana jogada no chão ajuda a entender o caráter das pessoas, porque aquele que joga fora é uma pessoa negligente em relação à conduta coletiva. Aquele que, ao encontrá-la, nada faz, acaba sendo omisso e põe em risco outras pessoas, que poderão sofrer uma queda. E quem a retira demonstra um caráter de maior cuidado consigo e com as outras pessoas. Portanto, casca de banana no chão, o que a leva a lá estar, se ali permanece ou dali é retirada, por incrível que pareça, é um indicador ético.

Hipertensão

Não adianta só medir a pressão; se estiver alta, tem de fazê-la baixar. Atividade física é fator de proteção de saúde. Quanto menos a quantidade de cigarros fumados, menores os riscos e danos à saúde. Quantidades baixas diárias de álcool e sal de cozinha são saudáveis para o coração. Excesso de ansiedade, angústia, tensão e conflitos é fator de adoecimento. O tratamento é possível com ou sem remédios, conforme a necessidade. O controle do peso corporal pode ser suficiente para controlar a pressão e remédios não substituem atividade física e alimentação mais saudável.

A independência necessária

Quem proclama a independência e não abole a escravidão, vai ver não é livre nada, apenas mudou de patrão. Foi o que aconteceu no Brasil, em 1822, apesar da separação de Portugal. Mantivemos problemas como latifúndio, muita terra em poucas mãos; monocultura, produzindo mais para fora do que para quem aqui vivia; e escravidão, exploração máxima da mão de obra, e dependência externa. Passamos a nos subordinar à Inglaterra, considerada à época a senhora dos mares. Apenas uma elite aristocrática, dos donos de fazendas, gado e gente, principalmente do Sudoeste e do Nordeste, se beneficiou da Independência. Até hoje, cada Sete de Setembro é momento para se dar o “Grito dos Excluídos” e lutar por um país mais justo, fraterno e soberano.

PENSAMENTO

“Todos comem e bebem, são poucos os que sabem distinguir os sabores”. (Confúcio)


Rua Rui Barbosa, 328 - Centro
Xaxim/SC. CEP 89825-000
redacao@lenoticias.com.br
(49) 3353-5210
(49) 8504-6814