A agonia vivida por João Rodrigues

Por: Marcos Schettini
08/12/2017 15:26 - Atualizado em 08/12/2017 15:26
Tamanho da fonte: A A

Pela barulheira escutada nos últimos dias, ensurdecedora inclusive, foi suficiente para ecoar no ouvido de Priscilla Mielke Wickert Piva, da Vara Federal de Chapecó, e tirar o sono e estourar os rojões dos espectadores. O que estava quieto, ressurgiu. Fantasma da dúvida, agonia vivida por João Rodrigues na questão Pinhalzinho, tinha tudo para cair automaticamente no colo da tranquilidade. Do nada, a movimentação entra gabinete adentro e desperta a juíza federal que, batendo à porta do ministro Luiz Fux, tirou a soneca suave do parlamentar. Eliminando-se todas as dúvidas de quem é, ou não, que está construindo este abismo, imagina-se que tudo isso foi pensado premeditadamente. Justificando-se interessado no final desse terror, João Rodrigues dorme, mas não descansa. Agora o desfecho deste pesadelo acordado interessa, muito mesmo, ao PMDB, sigla onde o deputado federal tem a sua maior torcida de salvação.


Lógica

A turma de João Rodrigues, mais precisamente aqueles que não conhecem o deputado federal, imagina que o parlamentar estaria caindo na cilada de pensar em ataque do fogo amigo. Patético.

Problema

Procurando chifre em cabeça de cavalo, as duas turmas de JR e GM, equivocam-se ao testar inocência no caso. Deveriam saber que vem de fora o desejo de fragilizar o partido dividindo-os por lucro eleitoral alheio.

Gavião

O PSD sempre soube da ave de rapina pousado no galho do PMDB. Fazendo contas para entender como agir para dividir irmãos, deu um rasante em direção à presa mais fácil. Deu certo além do imaginário.

JKB

Homem de fibra, respeito moral e compromisso político definido, Jorge Bornhausen não compactua com o ilícito. Neste raciocínio, é sabido que, entenda-se, toda essa escuridão produzida no PSD, será iluminada.

Herança

Paulinho Bornhausen segue o traçado ideológico do pai. Se assim não fosse, e bem orientado, não estaria na mesma construção entendida por Ziguelli e Geraldo Altholff. Ambos com mesmo DNA.

Criatividade

Ninguém sabe o autor do ideal, persistente inclusive, de conhecer a saída antecipada do governador Colombo. Pelo cacoete, é de origem ulyssista. Lembra-se que a teoria é de dupla conspiração. Se ele ficar, é PSD. Saindo, é PMDB.

Conspiração

PMDB sabe e precisa muito, conhecer os passos a serem dados pelo governador. Nasce daí o ideal da saída antecipada do governo. Enquanto o partido do vice Moreira tem pesadelo nisso, Colombo vê-se no Congresso com Paulo Bauer.

Semeadura

Vários deputados se encontraram com centenas de vereadores que estiveram na Capital esta semana. Estavam de olho em cabos eleitorais importantes para suas reeleições de 2018. Costuraram acertos até madrugada.

Colheita

Dos deputados que passaram gadanho no encontro da UVESC, Marcos Vieira, Altair Silva, Mauro de Nadal, João Amin estiveram mais afiados. A postulante Marlene Fengler, orientada, capitalizou. Pelo tamanho do encontro, urna recheada.


Rua Rui Barbosa, 328 - Centro
Xaxim/SC. CEP 89825-000
redacao@lenoticias.com.br
(49) 3353-5210
(49) 8504-6814