Close Menu

Busque por Palavra Chave

Alesc - 2

Editorial | Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará - João 8:32

Por: LÊ NOTÍCIAS
24/06/2019 10:54

O Intercept Brasil, site que revelou as conversas entre o então juiz Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, chefe da Operação Lava Jato, tem duas revelações a serem feitas. Uma seriam as conversas que foram reveladas e que, como tentou demonstrar o agora ministro da Justiça, tirar a força destas revelações com uma tranquilidade questionada, como ficou demonstrada em sua ida ao Senado e, a outra, porque ele tem tanto medo que isso provoque um tsunami em sua vida.

Ele, assim sabe, utilizou-se de um aplicativo de celular, que julgava ser impenetrável, para conversar com seus pares para direcionar a prisão de investigados da operação. Ele, o agora ministro, busca dar uma tranquilidade que o mundo condena porque, como disse vários veículos de comunicação, se fosse em outro país, pelas revelações demonstradas, o ministro Moro já teria caído.
Por que ele não cai no Brasil? Porque ficaria muito claro que o site Intercept teria razão no que demonstrou e que a prisão, principal neste caso, de Lula da Silva, direcionada para um fim necessário, era para tirar sua liderança da disputa e dar um ar de vitória da extrema-direita como assim foi nas urnas.
O ex-juiz tem um desenho a ser traçado em sua vida. Ele não somente quer chegar ao Supremo Tribunal Federal com sua ida praticamente montada, mas não dando certo, colocaria sua liderança em busca da Presidência da República. Ele sabe o que quer e como fazer. Deu certo até agora.
Se não fosse assim, não teria deixado sua garantida vida de juiz federal em troca de uma aventura. Ele não somente sabe o que quer, porque quer e como vai fazer, tem já montada sua estratégia para garantir que isso dê significado ao desenho elaborado há cerca de cinco anos.
Isso quer dizer que se a verdade dos fatos for de fato levadas à profundidade das investigações de sua participação direta na montagem das acusações contra o ex-presidente Lula, tudo estaria jogado no bueiro. Ele sabe que se acontecer, que ele perca o espaço no ministério, vai sucumbir e tropeçar. Mas tem muito ainda a ser revelado.
Se a verdade, como mesma diz que é perante as mentiras que foram montadas em torno de um caso ainda não explicado, é possível que tudo isso seja revelado e ele, o ministro, tropece em suas artimanhas que o mundo condena, mas é protegido no Brasil. Este Editorial faz coro para que toda investigação seja feita e que o ministro aponte, de verdade, o que fez, como e de que jeito para tirar o máximo de dividendos de seu interesse que as urnas, no ano passado, montaram e deram certo.
Aquela de barrar que Lula da Silva fosse impedido de dar entrevista para que ela não desse a Haddad uma vantagem sobre Bolsonaro, foi demais. Mas tem que fazer tudo certo para que não haja tropeços nos meios que justificam um fim.
Uma certeza se tem de tudo isso: o Brasil não é um país sério em absolutamente nada. Tudo é mentira, tudo é montagem, tudo é engano. Por ser engano em tudo, ter mentido para si mesmo em tudo que se conhece, não pode dar certo em nada. Farsa, como se sabe, não chega a um lugar de sucesso. E, portanto, este país não pode dar certo com tantos enganos. São 500 anos de mentiras.
500 anos de mentiras, enganos em tudo, escravidão de índios e sua dizimação numeral e cultural, negros e sua destruição de nação roubada, preconceito e tortura, não pode dar certo. Tudo, como se vê, é mentira. A verdade, como se sabe, vai libertar os tolos trazendo-os à luz e dando luminosidade à história. Se isso é um conceito, então é uma certeza.
A verdade voz libertará.


Brasão

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plíno Arlindo Nês, 1105, Sala, 202, Centro