Close Menu

Busque por Palavra Chave

Alesc - Sua Causa 2

Editorial | Não existe liberdade sem o controle democrático do poder

A liberdade de imprensa é elemento fundamental para o aprofundamento democrático. Sem ela, os desmandos políticos imperam livremente assim como o conhecimento das ações dos homens públicos fica limitado. Ocupar um cargo público, seja ele efetivo, contratado, comissionado ou eletivo, é assumir, em tese, a responsabilidade com a coisa pública, que é da conta de todos sem exceção.

A liberdade de imprensa passa pela autonomia proteção do Estado. Na esfera municipal, sabe-se, a situação é ainda mais problemática. Jornais locais dotados de poucos recursos acabam virando refém das administrações públicas, uma vez que muitos dos contratos são firmados pelo gestor municipal, os quais são quase sempre a principal fonte de financiamento que, também em tese, dá por osmose, controle dos veículos. Uma imprensa livre é condição fundamental para que as sociedades resolvam seus conflitos, promovam o bem-estar e protejam sua liberdade. Não deve existir nenhuma lei ou ato de poder que restrinja a liberdade de expressão ou de imprensa, seja qual for o meio de comunicação.

O exercício da liberdade de expressão e de imprensa não é uma concessão das autoridades, é um direito inalienável do cidadão, da sociedade, de uma Nação que todos têm o direito de buscar e receber a informação, expressando opiniões e divulgá-las livremente. Claro que sem ataque à honra, ninguém pode restringir ou negar esses direitos.

As autoridades devem estar legalmente obrigadas a pôr à disposição dos cidadãos, de forma oportuna e transparente, a informação gerada pelo setor público para que, de posse disso, a sociedade tome conhecimento. A ameaça à democracia é a falta de um controle social sobre os recursos públicos municipais destinados à mídia local que, no controle dos donos do Poder, direciona conforme sua vontade aquilo que é da sociedade.

Sem um setor que controle os recursos publicitários, que fiscalize e delibere sem o controle do ator político, a imprensa consegue atuar livremente sem colocar em xeque sua situação financeira. Caso contrário, continua fechando contratos apenas com jornais que teçam elogios ao prefeito, governador, presidente, seja do Executivo, Legislativo ou Judiciário. Não há jornalismo sério com esta dependência tola.

Os meios de comunicação e os jornalistas, livres de discriminações ou favores da função, relatam o fato, comentam ele e dá a conhecimento do cidadão de bem. Quando setor comercial se mistura com a Redação, fechar contrato por motivos de posições políticas, sejam diferentes ou não, fechar acordos de qualquer direção, torna impossível desenvolver a profissão e evidencia os interesses de manipulação existente, que, nestes tempos de terror contra a democracia, como observado nas palavras do presidente da República, que direciona recursos da sociedade somente para quem se alinha às suas ideias , aponta bem o caminho de abismo em que todos estão seguindo.

Restringir a circulação de jornais, tirar do ar o radialista, calar a boca de telejornais que veiculam notícias em desencontro de quem paga e a favor dos interesses da sociedade, virou um inferno. Pelo andar do que se tem visto, é possível afirmar que a censura está voltando, que o recolhimento criminoso dos exemplares por intimidação, podem ocorrer.

Agora, pelas redes sociais, os bolsonaristas, todos eles, afirmam que a imprensa veicula notícias mentirosas e sem crédito que possam criticar o chefe da Nação. Ele, atacando tudo e todos, solta seu veneno nas redes e os patéticos seguidores, seguem-no cegamente, atacando, se assim for preciso, até fisicamente, para impor suas vontades.

Está se vivendo momentos de trevas, secas, enganos e ataques perigosos contra os profissionais. Cada um que estiver escrevendo o que os seus seguidores não aceitam, corre inclusive risco de vida. Não se sabia que o país chegaria a esta destruição plena de sua liberdade. É só o começo. A imprensa livre e democrática está apenas na antessala do inferno. Nem entrou no império do mal. Até porque este inferno, se não for apagado agora, vai ser tarde e todos vão morrer queimados.

Não existe Liberdade sem o controle Democrático do Poder. Viva a imprensa livre, viva a maior profissão do mundo.


Brasão

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plíno Arlindo Nês, 1105, Sala, 202, Centro