Close Menu

Busque por Palavra Chave

A Arte do Ser | Tempo: o que controla e o que flui

Por: Xenna Gheno
16/05/2018 11:24 - Atualizado em 16/05/2018 11:35

Cada ser sente e vê o mundo da sua maneira, assim também com o tempo. Cada um sente e compreende o tempo a sua maneira, pois todos já sabemos que o tempo é relativo, sendo assim, não vejo porque o medimos. Não vejo problema em se organizar, disciplinar, mas por trás desse “controle” existe um grande perigo. E esse perigo está acontecendo todos os dias, que é sentir o tempo apenas de uma maneira, o tempo que controla.

Esse tempo que controla envelhece, atrasa, compete, e tudo isso lhe distancia da paz. Vamos pensar que a paz é o melhor que você pode ser, ou se encontrar, um estado de espírito no qual você está em harmonia com bons pensamentos e vibrações. Em paz você não sente o mal, você certamente está em um paraíso. Mas um dos grandes vilões para que você não esteja no melhor de você, ou seja em paz, é exatamente essa forma única de sentir o tempo.

Esse tempo controle nos empurra uma vibração que foge da saúde e aproxima ao estresse, pois já no despertar somos forçados a levantar mesmo que o corpo precise de mais descanso, comemos sem ter fome ou com pressa. Descansamos sem estar cansados e trabalhamos exaustos. Estamos sempre com um comparativo de sucesso ligado à nossa idade e recursos. Temos receio de envelhecer e buscamos controlar nossa aparência e sem perceber estamos deixando de viver, de fluir, estamos jogando âncoras pesadas e estagnadas na nossa vida. Então vamos fugir dessa forma destrutiva de sentir o tempo, pois o tempo é o grande aliado da vida, sem ele não existimos. Mas é muito importante que compreendamos que ele flui, que ele segue, que ele entrega cada manhã.

O tempo que flui ele perdoa, ele cura, ele floresce, ele anda. O tempo que controla ele amarra, estagna, ele pesa.

O tempo que flui ele respira, enxerga, sente cada raio de sol, como eu estou agora, rico de tempo tomando o café da manhã, ouvindo os pássaros olhando o vento suave balançar o pinheiro em frente a minha janela e com muita gratidão começando um dia trabalho. E assim sinto que estou vivendo, e não correndo, pois o tempo que controla respira no automático que muitas vezes não é o suficiente, nos traz ansiedade. O tempo que controla não me permite que eu sinta o tempo e a vida pelos meus olhos, ele me empurra para uma visão e razão limitada da vida. E é assim todos os dias, a vida, a paz, o sol, o respirar, o amor, o abraço passam despercebidos. E com o passar vamos nós acostumando a uma rotina destrutiva para nós e para todos, não temos tempo nem de analisar nós mesmos, tempo para pensar qual é meu caminho, onde está minha felicidade, quando que eu lancei âncoras e parei de fluir na vida. Por isso parece estar atrasado, está com âncoras, está pesado, não é indo na academia ou comprando roupas novas que vai fluir leve e em paz, e sim soltando as âncoras. E para soltar vai ter que respirar, desacelerar e encontrar o seu tempo, o seu melhor tempo, encontrar o ritmo que flui, que cura, que traz paz e prosperidade. E as vezes precisamos parar, e olhar essas âncoras, olhar a vida e nós mesmos. E com coragem tomar a decisão de olhar para uma multidão que impõe um ritmo frenético e alucinante e dizer não é meu tempo! Eu preciso de um ar! Quero caminhar diferente, quero caminhar em paz!

Se desprenda desse tempo que controla, dessa forma pequena de ver a vida. A sociedade não é referência para a sua felicidade. O tempo é relativo, você pode voltar a sentir que os anos passam no tempo normal, foi você que se perdeu dele e nem enxerga ou sente ele passar.

Que o tempo flua e não controle. Avante guerreiro, nunca é tarde para despertar. Até porque, você é rico de tempo, nunca é tarde para nada.


Brasão
Avenida Plínio Arlindo De Nês, 1105, Sala 202 - Centro
Xaxim - Santa Catarina
CEP: 89825-000
redacao@lenoticias.com.br
(49) 3353-5210
(49) 99997-9025