Close Menu

Busque por Palavra Chave

Daniela Reinehr gozando a vida; Estradas de SC destruídas; MDB quer solo; Progressistas e Esperidião; PDT de Minotto 2022; Irresponsabilidade em Marema

Por: Marcos Schettini
11/06/2021 10:04 - Atualizado em 11/06/2021 13:59
Tamanho da fonte: A A
Reprodução/Facebook

Desastre em Marema

O pequeno município de Marema vive a desgraça pecha de 2° município do país em mortes por coronavírus por 100 mil habitantes. O prefeito e seu vice, dois despreparados e politicamente isolados das autoridades estaduais, levam a prefeitura no oba-oba, pouco se importando com a pandemia. Lá já teve denúncias de muitas aglomerações, fura-filas na vacinação e uma série de outros desmandos. Não debatem protocolos de proteção da sociedade e fazem política barata, desconexas e impróprias para se beneficiarem da simplicidade daquela comunidade. Marema é um lugarejo muito bonito, composto por pessoas trabalhadoras e agricultores que vivem desta atividade. Mauri Dal Bello, do Progressistas, já está sendo investigado pela compra de votos para chegar ao Poder e, pelo que sabe, o Judiciário deve julgar seu afastamento na semana que vem. Faz política de varejo, é irresponsável e bonachão. Não é à toa que uma pequena comunidade, que tinha tudo para seguir no melhor caminho em favor de sua gente, amarga escândalo de abandono por parte do poder público local. É o cidadão sendo chutado desrespeitosamente. O secretário de Estado da Saúde, André Motta, já tem conhecimento da realidade. Vai tomar as medidas para tirar o título de horror nacional que o prefeito e o vice criaram ao brincarem com a sociedade.


MARATONISTA

Leandro Sorgato, empresário de sucesso na Faculdade Uceff e na cervejaria Lassberg, acelerado na estrada. Filho do ex-deputado estadual Gelson Sorgato, o rapaz está determinado a chegar em Brasília no ano que vem. Tem um dossiê, in loco, vivido nas estradas, do caos em todas elas.


CAOS

Por ver de perto abandono total das estradas de SC, Leandro Sorgato ganha o carimbo pessoal de voz na luta pela manutenção e revigoramento de todas elas. O empresário, como empreendedor, vive o medo de milhões de caminhoneiros que, sabe-se, têm ida, mas não sabem se voltam.


INFRA

Quando os deputados estaduais se alinharam ao governador Carlos Moisés na derrubada do veto da patética Daniela Reinehr sobre investimentos estaduais no mapa das rodovias, é porque sabem, como Leandro Sorgato, que rodar em todas elas, é passar pelo inferno.


NAMORADEIRA

É bacana que os catarinenses saibam que a patética Daniela Reinehr encontrou um par semelhante. Imaginava-se que Laércio Schuster, por ser exemplo de idiotice, seria o romance ideal da vice até pela identificação de sub inteligência. Mas ela traiu a lógica. Com dinheiro público, vai a Brasília viver os prazeres da carne.


BACANA

Os prazeres da carne são do mundo animal. A diferença do racional em relação àquele do cio reprodutivo, é que o primeiro tem uma maravilhosa interpretação que o segundo não compreende, embora a mesma tremedeira. Mas quando é o Bastião e a Chiquinha quem paga, quem treme é SC.


LEGAL

Se Dário Berger, Antídio Lunelli e Celso Maldaner são a trinca ulyssista para o processo eleitoral do ano que vem, e nenhum abre mão em relação ao outro na questão da majoritária, então está neles quem é o nome na posição da chapa. Os militantes sabem que, por ser o maior partido, ganham no 2° turno.


RACIOCÍNIO

Como os ulyssistas observam-se partido com o maior número de deputados, prefeituras, vices e vereadores, tem o exército perfeito para disputar em chapa pura e fazer o jogo vencedor no 2° turno. É por isso que não entendem o motivo da guerra entre os quadros para conjugar em coligação.


VIETNÃ

O MDB se contabiliza na prancheta para entender a própria força e mergulhar na sucessão. Sabe que os partidos vão precisar lançar seus próprios nomes ao governo para impor o modelo ideal de administração e fazer a proporcional para a Alesc e Brasília. Olham-se incomparáveis.


TAMBÉM

Por isso que o marido de Angela Amin empurra a Joares Ponticelli a missão de disputar o pleito. Embora tenha dado a palavra de apoio, espera no prefeito de Tubarão a própria desistência e repasse a ousadia ao senador do Progressistas. Esperidião aguarda o telefonema.


ELES

Aldo Rosa é entusiasta na força do Progressistas no ringue. Chama o MDB para subir e começar a luta. Não que ulyssistas e saudosistas PDSs se olham únicos no 2° turno, mas a contingência conquistada nas municipais do ano passado, dá a eles duas voltas sobre os retardatários.


ENTÃO

Napoleão Bernardes trabalha para ser o nome e tem mostrado certeza da sua indicação na convenção. O rapaz é jovem, tem simpatia a granel, é novidade no pleito e tem o que mostrar de suas digitais como prefeito de Blumenau. Se Raimundo Colombo e João Rodrigues diminuírem, ele chega na disputa.


CILADA

Marcos Vieira, Clésio Salvaro e Geovania de Sá falam o mesmo verbo pela candidatura do PSDB ao governo. E jogam esta responsabilidade no colo de Gelson Merisio, derrotado no 3° turno no retorno de Carlos Moisés ao comando do Estado. Estão no raciocínio “já que é tão fominha, que vá”.


FILIAÇÃO

Rodrigo Minotto se prepara para assinar a ficha de Fernando Coruja no PDT. Se o médico e ex-prefeito de Lages já tem a marca do brizolismo na testa, é nele o nome para o governo no ano que vem. O deputado estadual quer o 12 na urna eletrônica dando palanque a Ciro Gomes em SC.


ARRANCADA

O PDT trabalha com nominata cheia para estadual e federal. Deve colocar Manoel Dias como candidato ao Senado e chamar para si a atenção do centro entre Lula da Silva e Jair Bolsonaro. O deputado estadual de Forquilhinha está muito bem com Carlos Moisés.


AFINAÇÃO

Se o PDT jogou a favor de Carlos Moisés, Rodrigo Minotto tem portas escancaradas do governador em relação ao seu mandato. O chefe da Casa Civil, Eron Giordani, levou o inquilino d’Agronômica ao Sul para abraçar as causas regionais em favor de sua lealdade.


HUMM

Carlos Moisés chega aos eventos com a simpatia dos aliados. Está bem na Alesc e, consequentemente, nas regiões onde eles atuam. Por isso, mesmo silencioso, o governador joga orientado. O grupo quer segurar o máximo para que o marido de Késia só se manifeste pela reeleição, no gongo.


GONGO

Seria o último a falar. Como Carlos Moisés tem os bolsos de Erário da Silva cheio de dinheiro, base na Alesc e troianos do naipe de Eron Giordani, Mamute, Juliano Chiodelli, secretarias afinadas e empresários sorrindo à Mona Lisa, é o último a falar.


AGONIA

Os partidos sabem que Carlos Moisés tem material suficiente para imprimir sua permanência na Casa d’Agronômica em 2022. Esta história de que o chefe do Centro Administrativo não tem força para buscar a reeleição, é dor de cotovelo da oposição.


BLÁ

Se Carlos Moisés não vai à reeleição, então não há motivo para Eron Giordani continuar na Casa Civil. O rapaz é o cérebro intencional da Alesc no governo e, justamente por isso, joga na composição disso. Os deputados querem o retorno ao lado do marido da Késia.


CONSTRUÇÃO

Décio Lima prepara a própria candidatura a governador para fazer o palanque em favor de Lula da Silva ter a altura do sonho oposicionista. O ex-deputado tem pesquisa interna de que, diferente do que ocorreu em 2018, 2022 é outro cenário. O projeto é pelo plano nacional.


DISTANTE

Antonio Ceron não sabe qual é seu destino em 2022. Como não tem a bússola de Raimundo Colombo, percebe-se anão no jogo. Como deve fidelidade ao ex-governador, sabe que suas portas de saída da Prefeitura de Lages rumo ao processo político do ano que vem, estão fechadas.



Publicações Legais
Anúncio Radial
Campanha Agricultura
Campanha Segurança Pública
Campanha Santur
Alesc Facebook
Rech

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro