Close Menu

Busque por Palavra Chave

O tempo do PSDB; A falsa ideia de Udo Döhler na chapa; Rogério Pacheco forte; O perigo do MDB de Maldaner; Gean, Amin e Moisés no tucanato hoje

Por: Marcos Schettini
01/08/2022 11:01 - Atualizado em 01/08/2022 11:30
Tamanho da fonte: A A
Divulgação

A força do PSDB é as escolhas que fizer

Com dois deputados bem definidos, tanto Marcos Vieira quanto Vicente Caropreso, são, na melhor leitura, genuínos. Ao lado deles, os melhores de todos os tempos. Paulo Bauer, Leonel Pavan, Dalírio Beber, Saulo Sperotto, Vinicius Lummertz, Clenilton Pereira, Clésio Salvaro, Cena de Pinhalzinho, Gilmar Knaesel, Oscar Martarello, André Moser, Rogério Pacheco e, claro, a estonteante e feminina Geovania de Sá. O presidente dá início aos trabalhos e vai receber, durante todo o debate que se inicia às 16h, várias ligações e reuniões políticas para definir os rumos. Se depender do prefeito de Criciúma e dos demais, inclusive do prefeito de Concórdia, a ida é para o Centro Administrativo. Mas o jogo político é de manter o debate aceso e não fechar no todo. Os prefeitos de Indaial e Luiz Alves, André Moser e Marcos Pedro, estão liderando agora de manhã uma reunião paralela com mais de 20 prefeitos para defender a reeleição de Moisés, num almoço no Hotel Intercity, em Florianópolis. Assim como todas as outras atas, vão deixar em aberto para decidir no último minuto do dia 5 de agosto, data final para protocolar no TRE. Não tem muito o que fazer. O partido colocou apenas o ex-tudo Leonel Pavan. O marido da Bernadete se inscreveu em tudo e é nome único dentro da aprovação. Esperidião Amin olha para eles todos e gosta do jeito Pavan de ser. O pai da vereadora Ju de Balneário Camboriú é extrovertido e tem experiência. Se fecharem com o Progressistas, a chapa é forte.


ELES

Tucanato só não foi procurado pelo PT na agenda de festa do aniversário de Concórdia. O prefeito Rogério Pacheco recebeu todos, inclusive. Hoje, estarão na Capital para carimbar o rumo político na convenção que marca um momento difícil do partido no país.


ERRO

O PSDB de SC errou ao apoiar Eduardo Leite para a disputa presidencial. Seria o melhor nome da 3ª via que, agora, agoniza ao lado do partido que comandou as disputas políticas nos últimos 30 anos. Morto, mais miúdo que arroz de 5ª, quer sobreviver.


NADA

O governador tem todas as vagas fechadas com o MDB. Levou o moribundo Udo Döhler para a chapa que, em tese, não soma absolutamente nada. No dólar, da cotação do dia, o empresário só levou a convenção dos ulyssistas por forrar o balcão.


SOCORRO

Em Joinville, ninguém quer saber de Udo Döhler. E se Fernando Krelling tiver cérebro, foge desta sombra. O empresário, sem liderança nenhuma, jogou o deputado estadual em uma disputa municipal em 2020, mentindo, diga-se, e tirou-o do 2º turno.



QUIETO

Mantendo a campanha na deles, tanto Gean Loureiro quando Décio Lima estão correndo o Estado. 2º turno é uma eleição imprevisível e cheio de traições. E, neste caso, tanto um do União Brasil quanto o outro do PT, tem seus negociadores. Julio Garcia e Gelson Merisio.


GUERREIRO

Jorge Boeira mostrou a ponta do iceberg. Em uma jogada muito bem feita de Maneca Dias, o PT sabe que precisa dos brizolistas para levar o pleito em uma possível ida ao 2º turno. Se Lula da Silva vencer o jogo no início da etapa, o PDT é um prato cheio.


CHEIO

O empresário de Criciúma não quer saber do PT de Décio Lima. Já passou por aquele calvário e sabe que o partido do marido da Janja é fechado no próprio jogo. Indo com Ciro e dando palanque, ele ganha altura em um 2º cenário. Agora, sabe ele, é tudo bafo de boca.


ESTRELA

O PSDB chega na convenção com barulho. Com dois deputados estaduais e um federal, Marcos Vieira e Vicente Caropreso são bola de cristal na mesa de sinuca. O lado que forem, decidem muito. Geovania de Sá, neste caso, joga com Clésio Salvaro.


CAMPEÃO

Clésio Salvaro tem tutela de fidelidade respondida na pessoa de Geovania de Sá. A deputada joga nas linhas do prefeito até pelo nascimento político construído lá atrás. Foi das digitais do prefeito de Criciúma que a parlamentar veio ao mundo.


DUPLA

Carlos Moisés quer o PSDB, mas não tem o que oferecer. Foi na liderança de Marcos Vieira, um dos cavaleiros do apocalipse do impeachment, que foi salvo. Para não esquecer, foi ele, o deputado tucano, quem falou por Valdir Cobalchini, Fabiano da Luz e Zé Milton Scheffer.


ESQUECIDOS

Embora com cargos e muitos recursos da Casa d’Agronômica, Marcos Vieira e Vicente Caropreso são dois gandulas segurando as bolas do governador. Estão lá. O partido se reúne para definir e, dentro da lógica, pode ou não seguir assim. 2º turno é outra eleição.


NINGUÉM

O PSDB tem muitos nomes de ouro, mas passaram despercebidos neste debate do governador que teve olhos apenas para o MDB. Os tucanos estão desasados, molhados, tremendo de frio. Se Amin ou Gean fazer um carinho no bico, contorcem o pescocinho.


FORTES

Clésio Salvaro é o personagem central do PSDB. O tucano mor de Criciúma sabe fazer voo rasante como estratosférico. Tem altura para o que quiser. Hoje, Carlos Moisés tem no marido de Adriana Goulart e em Joares Ponticelli, os aliados perfeitos para minar o ninho e o Progressistas.



LEITURA

Carlinhos Chiodini e Geovania de Sá foram várias vezes lembrados para entrar na majoritária de Carlos Moisés. O marido da Késia sempre quis a costura deles na chapa. Mas sempre fugiram. Tem o raciocínio de que eles não acreditam na vitória eleitoral do governador.


CHAPA

Ao decidir por Udo Dólar, o inquilino da Casa d’Agronômica tremeu o futuro. Pode ser que dê certo, mas pode ser errado. Se Raimundo Colombo levar o Senado, hoje liderando as consultas, Celso Maldaner vai fazer uma meleca. Por isso que o ulyssista colocou a esposa na disputa pela Alesc.



Fecam
OktoberFest
CORAÇÃO DE SC
Rech
Publicações Legais

Fundado em 06 de Maio de 2010

EDITOR-CHEFE
Marcos Schettini

Redação Chapecó

Rua São João, 72-D, Centro

Redação Xaxim

AV. Plínio Arlindo de Nês, 1105, Sala, 202, Centro